50 anos de história da FVO Alimentos

A história da FVO Alimentos

1967 – O início de tudo

A empresa FVO – BRASÍLIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS LTDA, é oriunda da INDÚSTRIA E COMÉRCIO  “DUMILHO” LTDA. Foi fundada em 14 de março de 1967, como empresa de beneficiamento de milho e arroz, em Vila Velha, Estado do Espírito Santo. Seu fundador e principal acionista foi JOSÉ WALDYR MACHADO VASCONCELLOS. Da atual Diretoria da FVO Alimentos se associaram ao grupo o Srs. Valério Folador em 1967,  Laerte Antônio de Oliveira em 1970,  José Marcos Zandonadi em 1972 e Adão Folador em 1977.

José Waldyr Machado Vasconcellos // José Marcos Zandonadi, Laerte Antônio de Oliveira e Valério Folador // Adão Folador

Com o sucesso da venda dos derivados de milho, a indústria começou a acumular o subproduto – gérmen de milho, rico em óleo. Isso motivou a decisão de iniciar a produção de rações para aves, principalmente galinhas poedeiras, em função de um mercado em expansão no Estado do Espírito Santo.

Assim, por volta de 1968, a Dumilho lançou-se no ramo da nutrição animal com a produção de rações para poedeiras com a marca BEATRIZ. Para facilitar a comercialização dos ovos dos clientes da ração, a Dumilho criou a empresa Aveovos Distribuidora Ltda, com sede em Cariacica – ES e posteriormente com filial em Salvador-BA, tendo em vista que o mercado local não comportava a crescente produção de ovos. A Aveovos foi um modelo precursor de integração indústria-avicultor, que mais tarde tornaria o Brasil o maior exportador mundial de carne de aves.

No final dos anos de 1960 a Dumilho foi umas das primeiras empresas brasileiras a comercializar ovos com marca – OVOS BEATRIZ GEMA DOURADA. Com isso, foram estabelecidos os dois grandes pilares,   capacidade criativa e potencial inovador, que norteariam a história da empresa. A marca para um produto que até então era vendido como uma commodity  e o uso de um pigmento orgânico para colorir a gema dos ovos das galinhas de granja, fazendo com que a gema fosse parecida com a gema do ovo de galinha caipira, padrão de consumo da época.

 

 

 

Anos 70 – Crescimento vertiginoso

Em 28 de agosto de 1972 a Dumilho Ltda transforma-se em Dumilho S.A. – Indústria e Comércio e inicia o processo de transferência de suas indústrias do município de Vila Velha-ES para uma área de 50.000 m2 às margens  do Km 10,5 das BR 101/262 no município de Viana-ES, dando inicio à expansão de seu parque industrial.

Além da indústria de derivados de milho, neste novo parque industrial foi construída uma moderna fábrica de ração animal com capacidade inicial de produção de 12 toneladas/hora, mais tarde ampliada para 24 toneladas/hora. Nesta fábrica, além das rações para galinhas poedeiras, ganhou destaque a produção de rações para frangos de corte com a marca BEATRIZ. Mais uma vez, exercendo sua capacidade criativa e seu potencial inovador, as rações Beatriz foram umas das primeiras rações para aves no Brasil a ser produzidas com um componente – Monensina Sódica, comercializado com a marca COBAN, que de forma preventiva, evitava os surtos de coccidiose, uma doença parasitária que causava grandes prejuízos aos avicultores. Produto este, já usado em países com tecnologia de manejo mais avançada na produção de aves.

 


Com o avanço da avicultura de corte a Dumilho sentiu a necessidade de instalar um frigorífico para abate de aves, implantando o sistema de
integração indústria-avicultores, nos mesmos moldes da Aveovos, agora para a produção de frangos de corte. O moderno abatedouro, com sistema de inspeção federal (SIF) foi inaugurado em 1974 e tinha capacidade de abate de 800 aves/hora. Mais tarde, este frigorífico passou por várias modernizações tendo sua capacidade de abate ampliada para 3,600 aves/hora. Na comercialização de frangos de corte, novamente a Dumilho inova, com a produção do frango congelado, quando o padrão da época era a comercialização de frango resfriado. Também, repetindo o que havia feito com a produção de ovos, a Dumilho introduz nas rações de frangos de corte um pigmento orgânico que fazia com que, a pele do frango, alimentado com suas rações, ficasse mais amarelada, se assemelhado a pele do frango caipira. Era o frango congelado Beatriz pele vermelha.

Ainda no segmento de frigorífico a Dumilho vislumbrou, na segunda metade da década de 1970, o desenvolvimento da indústria de processamento de carnes, para agregar valor à carne de frango. Assim, instalou uma moderna fábrica de carnes processadas (mortadela, salame, linguiça, salsicha, apresuntado, etc), vindo a ser a primeira indústria no Brasil a produzir embutidos de carne de frango.

 

 

 

No final da década de 1970, a Dumilho inicia a produção de alimentos para animais de estimação com os produtos PELLETS DUDOGS, um alimento seco peletizado para cães e o primeiro alimento embutido para cães, conservado sem refrigeração, produzido no mundo: a BISNAGA DUDOGS, exercendo mais uma vez, a sua capacidade criativa e seu potencial inovador.

Ainda na segunda metade da década de 1970, a Dumilho vislumbra a conquista do seu espaço numa nova fronteira: o cerrado brasileiro e, incentivada por um programa de desenvolvimento rural da Secretaria de Agricultura do Distrito Federal, cria a COPERBRAS – Cooperativa Avícola e Pecuária de Brasília para desbravar e cultivar uma gleba de 3.000 hectares na região de Planaltina-DF. Para tal, foi feito um projeto avícola para a instalação de um complexo composto de granja de postura de ciclo completo, com 1.260.000 aves em postura. Como era uma nova fronteira agropecuária, sem gente com experiência na área, a Dumilho convidou vários pequenos produtores rurais e avicultores do ES que migraram junto com o pessoal da empresa e foram responsáveis pela implantação do projeto.

Com a mecanização da agricultura, o ES por ser um estado muito montanhoso, foi perdendo importância na exploração das culturas tradicionais como milho, arroz e feijão, para outras regiões do Brasil, em particular o Centro Oeste, o que obrigou a Dumilho a transferir, também para esta região, sua unidade de processamento de milho. Para tal, foi criada a Companhia Goiânia de Alimentos, que foi instalada na cidade de Anápolis em Goiás.

 

 

 

Anos 80 – Grandes marcos no mercado

Com o crescimento e evolução do mercado de alimentação animal, na década de 1980 a Dumilho investiu na produção de alimentos para outras espécies animais além de aves e animais de estimação. Mas foi este último segmento que se mostrou mais promissor, levando a empresa a investir no desenvolvimento de equipamentos para a indústria de alimentos extrusados  para animais de companhia, tendo em vista os altos custos e dificuldades tarifárias e burocráticas para a importação de equipamentos.

Mais uma vez, no início dos anos de 1980, a Dumilho se diferenciava entre as demais indústrias, desenvolvendo seus próprios equipamentos – extrusoras, que lhe permitiram ser uma das pioneiras no Brasil, na produção de alimentos secos extrusados para animais de companhia. Os equipamentos desenvolvidos pela Dumilho tinham uma característica peculiar de permitir o cozimento do alimento com alto grau de expansão. Isto tornava seus produtos altamente palatáveis para os animais de companhia, bem como permitia alta digestibilidade, ou seja, melhor grau de aproveitamento pelos animais. Isto fez da marca BOMGUY, produzida pela Dumilho, uma referência na qualidade dos produtos para animais de companhia.

Reportagem Coldog

Reportagem Coldog

Coldob antigo, FVO Alimentos

 

Ainda na década de 1980, dando continuidade a sua trajetória criativa e inovadora foi desenvolvido o Coldob, originalmente Cokedog, que era um refrigerante para cães sabor carne, produto pioneiro no mundo. Hoje este produto evoluiu e é comercializado como um repositor hidro-eletrolítico para cães. Foi também ampliada a produção de alimentos úmidos, com a instalação de uma fábrica de alimentos úmidos enlatados para cães e gatos no parque industrial de Viana-ES. Foram introduzidos os primeiros petiscos embutidos para animais de companhia no Brasil,  – BOMGUY TREATS  para cães e GHATUM TREATS para gatos. Uma antevisão ao hoje crescente mercado de petiscos para animais de companhia nas mais variadas formas de apresentação e conteúdo.

Também na segunda metade da década de 1980 a Dumilho revolucionou o mercado de alimentos para equinos, com o lançamento do primeiro alimento extrusado, de formulação completa, para equinos no Brasil e provavelmente no mundo, a ração MIKLOP. Com esta ração, equinos podiam ser alimentados sem o uso ou com baixa inclusão de volumoso na alimentação, sem riscos de morte por cólicas intestinais, um problema que atormentava a equideocultura.

miklop fvo

 

 

 

Anos 90 – O ‘boom ’ dos animais de estimação

A década de 1990 viu uma grande transformação no mercado de alimentos para animais de companhia, com o crescimento dos alimentos premiums, high premium e a segmentação por fases da vida e porte do animal. As empresas do grupo sempre estiveram na vanguarda destes acontecimentos com o lançamento de alimentos para filhotes, animais de pequeno e grande porte, entre outros.

No início dos anos de 1990 a Dumilho também foi uma das pioneiras no Brasil na implantação de uma unidade de produção de palatabilizantes para cães e gatos, para consumo próprio. Isto agregou mais um diferencial aos seus produtos que já tinham uma alta qualidade nutricional, a aceitabilidade. Na mesma época, a Dumilho introduziu no Brasil o primeiro substituto do leite materno para animais de companhia e outros mamíferos, pronto para uso – o  MILKBOMGUY e mais tarde outro alimento úmido completo a base de leite e ovos – o BOMGUY CREAM’S. O Bomguy Cream’s foi o precursor dos alimentos coadjuvantes para animais de companhia, em recuperação de processos cirúrgicos, ou convalescentes, por ser um alimento de excelente palatabilidade e digestibilidade, além de ser produzido com os dois alimentos mais nobres encontrados na natureza – leite e ovos.

 

Além da constante evolução na produção de alimentos secos extrusados para animais de companhia, que culminou com a criação da BASA – Brasília Alimentos S.A., em Planaltina-DF em 1994 e da FVO Alimentos em Pirassununga – SP  em 1997, a Dumilho continuou investindo na pesquisa e desenvolvimento de outros produtos para animais de companhia. Para tanto, foi criado um canil e gatil para avaliar seus produtos, bem como ajudar no desenvolvimento de novos produtos.

fvo-brasilia-pirassununga

 

Continuando a expansão e diversificação da sua linha de  produtos para animais de companhia, a Dumilho lança no início da década de 1990 o primeiro alimento para beija-flor pronto para uso do Brasil o Nectar Beatriz, mais tarde transformado no Nectar Milflores.

 Katbom Natural - fvo alimentos

 

Nesta época, ainda dentro do seu programa de diversificação e procurando cada vez mais surpreender seus clientes, a Dumilho lança o KATBOM – o primeiro granulado sanitário para gatos, produzido a partir de farinhas de cereais processados. Sua principal característica é ser um produto ecologicamente correto, econômico e muito prático, pois, por ser de origem orgânica pode ser dispensado no vaso sanitário, sem risco de entupimento de tubulações e fossas sépticas, como ocorre com os granulados produzidos a base de argilas.

 

 

 

 

Anos 2000 – Mais pioneirismo

 

No início do novo século, ainda na área de alimentos para gatos, a Dumilho desenvolveu um alimento líquido coadjuvante para gatos, comercializado com a marca HIDRACAT, pioneiro no mundo. O HIDRACAT é um produto líquido enlatado que estimula o consumo de água pelos gatos contribuindo para reduzir a ocorrência de um grave problema renal de gatos – a síndrome urológica felina,que se desenvolve à medida que o animal envelhece. Gatos por serem animais originários de áreas de deserto, naturalmente tendem a consumir pouco líquido o que provoca uma alta concentração de sólidos na urina.  O uso de HIDRACAT duas vezes ao dia, promove o aumento de cerca de 80% na ingestão de líquido, o que resulta num volume de urina 2,12 vezes maior em relação aos animais que recebem apenas água. Outra observação importante é que o HIDRACAT produz uma relação de consumo de líquido: matéria seca, igual a que se observa quando os felinos se alimentam na natureza, com carcaça de caça ou com alimentos úmidos. Esses alimentos têm uma relação aproximada de quatro partes de água para uma parte de matéria seca.

 

 

 

Desde meados dos anos 1990, com o destaque adquirido pela empresa no segmento de alimento para animais de companhia, a empresa foi procurada por grandes redes varejista para a terceirização de produtos de marcas próprias. Hoje a FVO Alimentos é a maior produtora de alimentos de marcas próprias para animais de companhia do Brasil. Buscando atender estes grandes grupos empresariais a empresa realizou investimentos  em programas de qualidade. Hoje todas as unidades industriais da FVO Alimentos tem implementados programas de BPF – Boas práticas de Fabricação e APPCC – Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle, além de passar por várias auditorias externas de qualidade.

 

No início de 2013, as empresas industriais do grupo passaram por uma reorganização estrutural e todas elas foram absorvidas pela FVO Brasília Indústria e Comércio de Alimentos Ltda, com sede em Planaltina – DF. Ela tem unidades de processamento de alimentos secos extrusados em Planaltina-DF, Pirassununga-SP, Goiana-PE e está em fase final de implantação da unidade de Rialma-GO. Tem ainda a unidade de alimentos úmidos e petiscos em Viana-ES. A empresa conta também com um escritório corporativo no Setor Comercial Sul em Brasília-DF e dois centros de distribuição sendo um em Brasília-DF e outro em Fortaleza-CE.

No ano de 2016, a empresa iniciou a internacionalização da venda de seus produtos com exportação de alimentos úmidos para a América Latina, principalmente Chile e Argentina.

 

fvo-goiana-viana

 

 

Compartilhe!